27 de out de 2011

Imitação de Cristo - série II

Todo homem tem o desejo natural de saber, conhecer, descobrir, MAS QUE VALE A CIÊNCIA SEM O TEMOR À DEUS? ( É sobre isso que quero refletir.)


Hoje li a seguinte frase: " O camponês humilde que serve a Deus está, sem dúvida, acima do filósofo soberbo, que, descuidando a sua alma, observa o curso dos astros." Algo a se pensar!!!


Amo pesquisar, descobrir... sou muito curiosa e isso se torna um bom passatempo para mim. Porém, tenho entendido que há muitas coisas que sabê-las, pouco ou nenhum proveito traz para a alma. Nos tornamos insensatos quando focamos demasiadamente determinada "coisa" e não nos ocupamos em desenvolver nossa salvação.
 De que nos adianta ganhar o mundo inteiro e perdermos a nossa alma?
O muito conhecer não sacia a alma; é a vida santa que preenche o coração, é a consciência pura que inspira grande confiança em Deus. Uma coisa é certa: se quero saber e aprender algo util, devo aprender a viver ignorado e ser tido por nada. É duro, mas é a verdade. Somos nada, somos pó...Ele é tudo: o saber, o conhecer, a sabedoria, consolo... TUDO, TUDO....A ciência mais alta e mais proveitosa é o verdadeiro conhecimento e desprezo de si mesmo.
Feliz aquele a quem a VERDADE por si ensina, não por figuras, ensinos, ou estudos. Nossa razão e nossos sentidos veem pouco e muitas vezes nos enganam. Grande insensatez descuidarmos do que é útil e necessário para nos aplicarmos com gosto ao curioso e nocivo.Nosso maior empenho deveria ser vencer a nós mesmos, tornando-nos cada dia mais fortes na semelhança de Cristo.
Toda perfeição nesta vida anda mesclada de alguma imperfeição e na nossa inteligência não há luz sem sombras. O humilde conhecimento de nós mesmos é o caminho que leva a Deus.






Não penso que a ciência ou o simples conhecimento das coisas sejam condenáveis, porque em si são bons e ordenados por Deus - Ele é o criador de todas as coisas. Mas porque, na maioria das vezes, nos empenhamos tanto em conhecer este mundo e seus modismos ao invés de nos dedicarmos em conhecer o Pai e SEU REINO? .


"E, na verdade, tenho também por perda todas as coisas, pela excelência do conhecimento de Cristo Jesus, meu Senhor; pelo qual sofri a perda de todas estas coisas, e as considero como escória, para que possa ganhar a Cristo " - (Filipenses 3:8)


Entendo que não devemos dar crédito a qualquer palavra nem obedecer a todo impulso, mas pesar tudo na presença de Deus com prudência. Grande sabedoria é não aferra-se ao próprio parecer, menos ainda crer sem discernimento em tudo o que dizem os homens e, nem mesmo encher os ouvidos alheios do que ouvimos ou cremos.  Quanto mais formos humildes e submissos ao Senhor, maior será nossa sabedoria.
Nos tornamos insensatos quando colocamos nossa esperança nos homens,  em contrapartida nos tornamos  sábios quando não nos apoiamos em nós mesmos mas em Deus. Não devemos confiar na ciência ou em homens, mas na graça de Deus.


" No coração humilde, paz contínua; no soberbo, frequente ciúme e a irritação."





5 de set de 2011

Esperando por você



Não fui eu quem escrevi essa música. Mas poderia ter sido. A letra sintetiza muito bem o que eu sinto. Faço dessa música minha oração… oração para você!

Eu espero por você!
Eu oro por você! 

Eu ainda não sei quem você é, o que faz, se trabalha, estuda. Não sei nada sobre você, mas espero.

Querido, espero pelo dia de te encontrar pela primeira vez. Espero para ver o brilho no seu olhar. Eu não sei se vou encher os meus olhos de lágrimas, mas eu sei que estarei sorrindo.
As vezes, eu acho que sou uma boba, pensando em você. Pensando em como será a nossa vida lado a lado. Mas, não quero passar meu tempo imaginando como vai ser, pois eu sei que Deus vai me surpreender, a ponto de ser tudo tão mais lindo do que eu mesma possa imaginar. Não quero pensar muito nisso. Quero descansar em Deus. Quero aproveitar esse meu tempo, pra buscá-Lo mais e mais. Pois sei que à medida que eu me aproximar dEle, e a medida que você também se aproximar dEle, um dia, inevitavelmente, nos encontraremos.
Não quero viver a minha vida para mim mesma ou viver a minha vida em função de você. Quero viver a minha vida para o louvor e glória dAquele que primeiro me amou. E eu quero que o nosso relacionamento seja para louvor e glória de Deus. Se não for assim, não tem sentido.
Eu sei que você pode ter cometido erros, mas meu amor, se Deus não se lembra do seu passado, porque eu lembraria? Sempre há perdão e uma segunda chance.
Mas por favor, escolha esperar por mim! Como eu escolhi esperar por você!
Não me importa se seus gostos são diferentes dos meus, mas uma coisa eu peço a Deus:
Que você O ame acima de qualquer coisa! Acima de seu time de futebol, acima de sua congregação, de seu ministério, que você ame Ele mais do que a si mesmo. Porque então eu saberei, que me amar, vai ser conseqüência do seu amor por Ele.
Sabe querido, eu sei que não é fácil esperar. Eu mesma tenho vontade de largar tudo as vezes. O mundo também me chama, como deve chamar você. Mas, eu aprendi a ouvir quem fala mais alto. E no caso, Deus sempre fala mais alto do que o mundo.
Estou aqui esperando por você! Mas querido, eu sei que ainda não é o tempo. Quero que Deus seja o centro da tua vida, assim como quero que Ele seja o centro da minha.
Ainda preciso aprender a colocar Ele em primeiro lugar. Ainda tenho muita coisa a aprender. Meu caráter tem sido moldado por Deus dia após dia, mas ainda tenho coisas a mudar.
Mas eu quero esperar! Pois sei que no dia que eu te encontrar, melhor, no dia que Deus escolheu para ser o início da nossa caminhada, cada segundo ao teu lado, vai valer a pena.
Quero olhar em teus olhos e falar: Valeu a pena esperar por você!
Por isso eu te peço, espere por mim, como espero por você!

Eu, Lorraine Ardila Geness de Freitas, escolhi esperar!

9 de jun de 2011

Imitação de Cristo - série I

Hoje gostaria de compartilhar com vcs algo em que tenho refletido nestes dias. Realmente espero que edifique a todos.

João 8:12 - "Falou-lhes, pois, Jesus outra vez, dizendo: Eu sou a luz do mundo; quem me segue não andará em trevas, mas terá a luz da vida."

Podemos ver que Cristo nos exorta a imitá-Lo; imitar sua vida, seus costumes...devemos verdadeiramente prosseguir neste alvo ser quisermos ser luz e também livres de toda cegueira do coração.
A doutrina de Cristo sobreleva toda doutrina humana, e quem tiver o Espírito encontrará o maná que nela está escondido. Muitos ao ouvir o Evangelho sente pouco fervor, porém, se quisermos entender e saborear toda a plenitude das palavras de Cristo devemos nos esforçar por moldarmos Nele toda a nossa vida. Palavras sublimes não fazem o homem santo e justo; é a vida pura que o torna querido de Deus.
De que nos adianta saber toda a Bíblia de cor e todas as máximas dos filósofos, que proveito teríamos em tudo isto sem o amor e a graça de Deus? A Suprema sabedoria consiste em tender para o Reino do céu pelo desprezo do mundo.
Amontoar riquezas e nelas por nossa confiança - Vaidade.
Seguir os petites da carne e desejar o que mais tarde será gravemente punido - Vaidade.
Preocupar-se só com a vida presente - Vaidade.
Amar o que tão vertiginosamente passa e não valorizar a alegria que sempre dura em Cristo - Vaidade.
Anbicionar honras e guindar-se em altas posições - Vaidade.

Vaidade de vaidades, diz o pregador, vaidade de vaidades! Tudo é vaidade.
Que proveito tem o homem, de todo o seu trabalho, que faz debaixo do sol?
Uma geração vai, e outra geração vem; mas a terra para sempre permanece.
Nasce o sol, e o sol se põe, e apressa-se e volta ao seu lugar de onde nasceu.
O vento vai para o sul, e faz o seu giro para o norte; continuamente vai girando o vento, e volta fazendo os seus circuitos.
Todos os rios vão para o mar, e contudo o mar não se enche; ao lugar para onde os rios vão, para ali tornam eles a correr.
Todas as coisas são trabalhosas; o homem não o pode exprimir; os olhos não se fartam de ver, nem os ouvidos se enchem de ouvir.
( Eclesiastes 1.2-8)

Apliquemo-nos a desapegar nosso coração do amor às coisas visiveis para transportá-lo às invisiveis, porque os que se deixam levar pela própria sensualidade mancham a consciencia e perdem a graça de Deus.

16 de mar de 2011

Construindo as formas





Creio que todos nós em algum momento de nossa vida, já tentamos superar um mau hábito. Primeiro decidimos abandoná-lo, depois nos esforçamos ao máximo e, então, começamos a pensar que o problema está resolvido. Quando de repente ele aparece de novo juntamente com um sentimento de fracasso.
Nos últimos dias tenho meditado a respeito do que o Apóstolo Paulo disse em gálatas 5.16.

“Andai no Espírito, e jamais satisfareis à concupiscência da carne.”

Há uma batalha sendo travada aqui – uma guerra entre “carne” e “espírito”. É a mesma guerra que se inicia dentro de nós quando tentamos superar um mau hábito e não conseguimos. É o conflito que sempre ocorre dentro de nós quando tentamos realizar algo e falhamos.
Deus tem me ensinado que nessa batalha entre carne e espírito, preciso saber o que devo fazer e o que não posso fazer.  Uma ilustração para o que estou tentando explicar são os mandamentos. Tentamos com toda nossa força obedecê-los, às vezes conseguimos por um período, mas em algum momento acabamos falhando.
Por quê? -Porque tentamos sozinhos. Nos esquecemos de algo fundamental – devemos obedecer os mandamentos de Deus, mas de nós mesmos não podemos.E isso é válido para TODOS os maus hábitos presentes em nossas vidas. Devemos superá-los, mas somos incapazes.

Pois é Deus quem efetua em vocês tanto o querer quanto o realizar, de acordo com a boa vontade dele”. (Filipenses 2.13)

Nosso desenvolvimento é fruto de uma operação conjunta entre nós e o Senhor. Qualquer mudança que deva ocorrer em nosso interior deverá ser operada por DEUS e não por nós.
Somos apenas construtores... você deve estar pensando: “Construtores de quê?”
Pensemos por alguns instantes em formas de bolo. Para que servem? Elas dão formato e dimensão à massa e depois que ela se consolida, podemos retirar a forma, pois sua função já foi cumprida.
Por exemplo, se estamos sem paciência com alguém qual é nossa atitude de combate a tal sentimento?
No meu caso diria: “Tenho que ter paciência”... Tenho...
Já bati muito nesta tecla e até hoje não obtive resultado. Então nas ultimas semanas o que o Espírito Santo tem me ensinado é que devo preparar as formas com o formato de paciência (atenção, gesto de bondade, oração). Não é preciso me esforçar para deixar de ser impaciente, devo apenas me revestir de paciência – ato externo.

A preparação da forma é nossa função; simplesmente preparamos a formas na qual DEUS derramará a sua obra permanente.

Toda forma antes de receber a massa deve ser untada para que o bolo saia perfeito. Podemos considerar este passo como sendo a “fé”.

Mas fé em quê? Fé em que a forma será utilizada. No exemplo, ela é a certeza que o encarregado (DEUS) trará a massa. Ninguém unta uma forma de bolo se não for para usá-la não é mesmo?! Seria um esforço desnecessário. Também desnecessário é nosso esforço ao nos revestirmos das formas de paciência, amor, mansidão sem crer que Deus a encherá com a massa divina.

Se prepararmos as formas, tendo fé de que Deus as encherá, o Senhor substituirá os desejos maus de nossa carne pelo fruto do Espírito. Este é o trabalho de cooperação. Nós realizamos a parte exterior (forma), que é temporária; Ele faz a obra interior, que é permanente. Depois de tudo pronto, o que fica é resultado do trabalho Divino.

Mas... Não podemos nos esquecer que o “bolo” não estará pronto até ser levado ao forno. E forno nos fala de fogo. Sim, passaremos pelo fogo... Faz parte do processo, sentiremos dor, choraremos... Mas ao final nos alegraremos ao ver o resultado.

Quando me refiro a “construir formas”, não quero dizer que devemos agir como hipócritas, fingindo ser alguém que não somos. O Senhor nos conhece plenamente e não é hipocrisia demonstrar amor quando de fato desejamos que este ato seja verdade dentro de nós.

Creio que nossa atitude deve ser reconhecer e confessar a Deus nossa disposição de deixar-lo edificar em nós sua obra.

Não precisamos estar dominados por nossos desejos e sentimentos. Quem anda pela fé não é governado por sentimentos.
Nosso papel não é suprimir nem abafar sentimentos, entendo que devemos controlar a expressão exterior, ao submetê-los a Deus.

Não importa o tempo que demoraremos a construir as formas - “O Deus da paz nos santifica em tudo... Fiel é o que nos chama, o qual também o fará.” 
(I Ts.5.23,24)